Viagem

28 de março de 2015 - sábado - 23:34h   •   Categoria(s): Viagens

Bom, tudo bem que, mesmo eu voltando a postar, não tenho atualizado o blog com tanta frequência assim, então não vai fazer muita diferença.
Mas eu tô indo viajar amanhã e volto no dia 11/04.
Aí depois vai ter post bagaraio sobre a viagem, porque nem todo mundo me tem no Facebook, e eu vou querer mostrar fotos, rs.
Nesse meio tempo, SE tiver wifi de graça, vai dar pra me acompanhar pelos posts no instagram, tanto o @liafugita quanto o @verbo_ler_ (sim, porque as fotos referentes a livros serão postadas lá).

Até a volta! Não se esqueçam de escovar os dentes depois das refeições e antes de dormir. =D

Chá verde de toranja e limão

24 de março de 2015 - terça-feira - 11:14h   •   Categoria(s): Recomendações... ou não!

Eu já disse pra vocês que sou aloka da toranja? Um dia eu conto melhor essa história (me cobrem!), mas, só pra resumir, sempre que eu vejo alguma coisa com esse sabor, eu preciso experimentar. Se tudo der certo, eu passo a consumir regularmente, rsrs.

E então, eu encontrei outro dia, no supermercado, um chá verde aromatizado com sabor toranja e limão amarelo.

Achei ótimo por cada saquinho vir embalado individualmente. Bom, gasta mais papel, mas, além de [supostamente] ser mais higiênico, fica mais fácil pra dar de presente pro namorado, hahaha! (Dei 3 saquinhos pra ele e a sogra experimentarem.)

A parte útil da embalagem de papel é que ela serve como puxador do saquinho depois.

O vapor que sai do chá quente tem um cheiro de toranja delicioso! O gosto é bom, normal. Pra mim, tanto fez tomar quente ou gelado, adoçado ou não. Gostei de todos os jeitos. =)

Filmow

17 de fevereiro de 2015 - terça-feira - 11:42h   •   Categoria(s): Cotidiano, Recomendações... ou não!

Vocês já ouviram falar do Filmow, uma “rede social” de filmes? Eu tenho impressão de que ele não é muito conhecido por aí, mas eu tenho conta lá e uso bastante.

Na página inicial, são mostrados filmes estão para estrear nos cinemas, quais já estrearam, além de notícias e alguns destaques.

Na página do seu perfil, aparecem informações do tipo: quantos filmes e séries você já viu, os comentários que você escreveu, quais são seus filmes favoritos.

Dentro das páginas de cada filme, são mostrados elenco, trailer, notícias relacionadas, nota e comentários dos usuários.

Bom, é chamado de rede social porque você pode adicionar as pessoas como amigos. Eu não vejo taaaanta utilidade nisso, mas achei dahora ver quais filmes meus [pouquíssimos, snif...] amigos assistiram e descobrir que gêneros eles mais curtem.

Ah, mas se o bagulho não é muito conhecido e não tem utilidade, qual é a graça nisso, Lia?
Hum, é, a pergunta faz sentido. Bom, vou explicar por que eu sou usuária frequente desse negócio.

Mais filmes vistos
Que eu sou comedora de livros, todo mundo já está calvo de saber. Mas eu percebi, um belo dia, que eu não assisto filmes por hábito ou vício. No modo “normal”, o máximo que eu vou fazer é assistir lançamentos no cinema.
O Filmow me incentiva a ver mais filmes porque gosto de ir lá e clicar em “Já vi”, hahaha!

Saber da existência de outros filmes
Dentro da página de cada filme, além das informações que eu citei anteriormente, também são exibidos outros relacionados (ou que o algoritmo acha que são relacionados, rs), o que é ótimo para você saber da existência de mais filmes. Isso já me ajudou a descobrir algumas preciosidades.

“Será que o filme é realmente ruim ou eu que não entendi?”
As opiniões dos usuários, na sua maioria, parecem ser sinceras e, muitas vezes, bastante úteis se você não entendeu ou não gostou de determinado filme, ou se está querendo decidir se vai assistir ou não.

Listas
Para quem é control freak, o Filmow permite a criação (e visualização) de listas de qualquer tipo. Alguns exemplos que eu vi são:
- Oscar de melhor filme
- Um curta para cada dia do ano
- Documentários que vão expandir sua visão do mundo
- Psicologia
- Nerd movies
Há a opção de você visualizá-las por sua popularidade ou ver os destaques que o Filmow escolheu.
Elas também podem ser públicas, privadas ou exibíveis apenas para amigos.
Eu tenho procurado (e falhado miseravelmente, rs) assistir aos indicados a melhor filme no Oscar. Achei ótimo conseguir ter uma noção, de modo bem visual mesmo, como está a minha “situação” (nesse caso, eu vi 48 de 484 filmes dessa lista, argh!).

 
Curtiu? =) Cria uma conta lá e me adiciona! \o/

Voltando…

15 de fevereiro de 2015 - domingo - 19:05h   •   Categoria(s): Cotidiano, Textos

Oie!!
Resolvi voltar! Alguém aí ainda lembra de mim? Rsrs.


Outro dia, bateu uma saudadezinha desse blog aqui. Fiquei lembrando da sensação que me dava quando tinha ideias para posts, do quanto era gostoso escrever com toda a vontade, fosse para criticar um restaurante japonês zuado, para elogiar um chiclete cheio de firulas ou para falar um monte de bobagem inútil mesmo.

Mas o tempo passou, a vida mudou, eu mudei e, consequentemente, o blog terá que acompanhar essa mudança.
Aos que gostam de cultura japonesa, tenho uma péssima notícia: não é um assunto que me interessa mais. “Mas era um dos tópicos principais deste blog!!” …Pois é, eu sei disso. Mas meu amor por tudo que dizia respeito ao Nihon foi transferido (na verdade, voltou) para a França e, em especial, para Paris. Eu só não sei se vou falar taaaanto sobre Paris quanto eu falava do Nihon.

Praaaaa ser sincera, eu não sei bem sobre o que vou escrever aqui. Tem muitas coisas na minha vida sobre as quais eu não tenho muita vontade de falar.
Trabalho? Não. Eu sou um desses seres abençoados que é pago pra fazer exatamente aquilo que adora. Mas isso não quer dizer que seja interessante pros outros.
Namoro? Não. Pelamordedeus eu ficar derramando aqui tooooda a doçura do meu relacionamento. Argh. Tenho amor e respeito pelos meus visitantes.
Musculação? Não. Até porque não tem nada de muito relevante pra falar. Existem sites especializados muito bons que podem ser bem mais úteis.
O grande problema é: os 3 itens acima ocupam a maior parte da minha vida, hahaha!!

Mas já faz um dias que pequenas e boas ideias vêm surgindo pros posts. Espero que curtam essa nova fase do blog. ^_^

Se conselho fosse bom…

29 de julho de 2012 - domingo - 22:59h   •   Categoria(s): Shuffling, Textos

A célebre frase já diz: “Se conselho fosse bom, ninguém dava de graça”.
E eu tava aqui, pensando justamente sobre isso, até que resolvi tentar escrever um texto. Ah, já que tá faltando post aqui mesmo, por que não escrever uma baboseira qualquer?

Conselho geralmente a gente:
- dá para pessoas de quem a gente gosta pelo menos um tiquinho
- sobre algum assunto que a gente acha que manja
- porque “queremos o bem” da pessoa aconselhada

Mas algumas coisas me fizeram pensar sobre a real utilidade de se dar conselhos, e me surgiram as seguintes dúvidas:

A pessoa está preparada para ouvir o que você tem a dizer?
Se você dissesse pra alguém nos Anos 1970: “Cigarro faz mal. Acho que você deve parar de fumar”, o que a pessoa diria? Naquela época, acho que já havia estudos sobre o prejuízo que o cigarro poderia causar à saúde. Mas quantas pessoas ligavam pra isso? Quantas pessoas te responderiam: “Ah, para de ser chato! Querem acabar com a nossa diversão?”
Às vezes não é nem questão de falta de estudo ou a pessoa ser burra, mas de simples falta de conhecimento sobre um determinado assunto, o que pode acontecer com qualquer mortal.

Seus conselhos estão atualizados?
Aí vai a vó e quer dar conselhos sobre relacionamento pra netinha de 25 anos. É lógico que há conselhos que são universais e atemporais, mas a netinha tá sofrendo porque o cara com quem ela transou na primeira ficada sumiu e não atende o celular. Por mais que a gente ame a avó, ela não serve para dar conselhos nessa situação.
E talvez nem os seus conselhos sobre profissão sirvam mais para o primo que está entrando agora no mercado de trabalho.

Qual a receptividade?
Quem disse que a pessoa quer seu conselho? Sobre isso, não tem nem muito o que comentar.

Qual o coeficiente de absorção?
Ok, talvez a pessoa aconselhada até tenha educação de te escutar ou realmente esteja interessado nos seus conselhos. Mas eu acredito absurdamente mais no poder de ensinamento da experiência. Eu poderia ler tudo sobre Paris, mas o tamanho do Arco do Triunfo só é assombroso ao vivo e a cores.
Se coeficientes de absorção de conselhos fossem altos, não haveria tantas mulheres chorando por causa de corações despedaçados por cafajestes.

 
Não que eu já não tenha dado milhõõões de conselhos. Não que, inclusive, as pessoas não achem que eu seja boa conselheira. Mas acho que é uma boa hora para se pensar quanto há de benefício em ser “pró-ativo” ao dar conselhos.

Esclarecimentos:
1. Não, eu não estou revoltada.
2. Isso é só um exercício textual que eu resolvi fazer.
3. É, aqui tá sem muito post mesmo. Resolvi aproveitar a oportunidade.
4. Não, não sei se vou escrever mais textos do tipo. Pode ser que escreva um outro semana que vem. Pode ser que nunca mais.

E quem disse que esse post em si não foi um conselho disfarçado? =D