Do trampo pro nihongo

10 de janeiro de 2010 - domingo - 15:09h   •   Categoria(s): Cultura japonesa

Alguns fins-de-semana atrás, eu passei a tarde inteira de um sábado quebrando a cabeça pra montar um banco de dados que me facilitasse o estudo de nihongo.
Aquilo que eu faço no pop kanji, de pegar as palavras e quebrar nos seus kanjis, vendo o significado de cada um, pra entender melhor o sentido da palavra, eu curto fazer com todas as palavras que me aparecem pela frente. Conforme elas iam aparecendo no meu livro de estudo, eu as procurava no jisho.org e registrava em um caderno, à mão mesmo.
Só que eu vi que ao longo do tempo, eu ia me deparar com 2 problemas:
- Cada vez mais, as palavras que eu fosse registrar iam ter kanjis repetidos, que eu já havia escrito algum outro dia, quando registrei alguma outra palavra. Quantas vezes eu escreveria o mesmo kanji na mão?
- Quando o caderno tivesse zilhões de palavras registradas, como eu ia fazer para consultar novamente alguma palavra que eu tivesse esquecido o significado?

Mas Lia, e por que você não usa só o jisho.org pra procurar sempre que você precisar?

Pois é, então… O jisho.org é sensacional, mas lá você tem que fazer esse processo em 2 fases: encontrar a palavra (na parte do Words) e depois pedir pra abrir por kanjis (Kanji details). E mesmo assim, a visualização não é imediata, pois tem um monte de informação que você não precisa e fica ocupando espaço.

O que eu queria era apenas isso, ó… Exemplo:

自動車 = じどうしゃ = jidousha = automóvel

自 = a si próprio
動 = mover
車 = carro, veículo

Aí o meu sangue de MIS* começou a falar alto (em pleno sábado de tarde!!), pensando em montar um banco de dados, e isso e aquilo, que cruza as bases e traz o resultado da consulta através de um relatório puxado por um formulário e blablablá.
O problema é que eu não mexo com relatórios tão complicados que nem outros colegas meus. Então eu não tenho conhecimento suficiente em Access pra fazer os monstrinhos que eles fazem.
Passei uma tarde de sábado inteira consultando o F1 do programa, procurando coisa na internet, fazendo mil cruzamentos de teste. Só parei porque a Galera ia na casa do Mariya.
Pior que quando eu tava voltando pra casa, me deu um estalo de solução, que me fez ficar na madrugada de sábado pra domingo pra resolver a bagaça. Mas pelo menos resolvi e fiz funcionar!

Basicamente são uma tabela de Excel e um banco de dados de Access combinados.
Eu começo na tela abaixo…
…digito a palavra que quero pesquisar……e o resultado traz a palavra em hiragana, o significado em português, o kanji e as suas quebras, de modo bem mais rápido e objetivo do que o jisho.org.O único problema é que EU tenho que inserir as palavras nesse banco de dados. Mas é beeeem melhor do que um caderno, hein! =)

*MIS = Management Information System. É o que eu faço no trabalho. Sou de uma equipe que mexe com informações gerenciais, relatórios, transforma dados crus em algo útil pra possibilitar tomadas de decisões.

1 comentário para “Do trampo pro nihongo”

  1. arman disse:

    Ola Lia obrigado por postar suas experiencias e dicas,ja experimentou o programa ANKI?ele tambem faz isso e ja tem varios banco de dados decks prontos e so traduzir do ing para ptb e tem recursos multimidia tambem…

Deixe um comentário