Comentando Livros #37

21 de março de 2010 - domingo - 19:20h   •   Categoria(s): Comentando Livros, Cultura japonesa

Título: Minha Vida Como Gueixa – A verdadeira história de Mineko Iwasaki
Autor: Mineko Iwasaki e Rande Brown
Ano: 2002
Descrição: Mineko Iwasaki é a gueixa mais famosa do Japão, mas só agora ficou conhecida no mundo todo. O filme Memórias de uma Gueixa, sucesso de Hollywood, foi inspirado em sua vida. Para escrever a história, o escritor norte-americano Arthur Golden entrevistou Mineko Iwasaki diversas vezes. Ela havia concordado em revelar o fechado universo das gueixas desde que sua identidade fosse preservada, o que não aconteceu. Mineko move um processo contra o autor, pedindo uma indenização milionária. Além disso, ela reclama que o livro não retrata a realidade das gueixas nem da cultura japonesa. “As gueixas não são prostitutas. Não vendem seu corpo, mas sua arte”, protesta Mineko.

Para Mineko Iwasaki, ex-gueixa que foi a principal inspiração para o livro de Arthur Golden, a revolta se deu em forma de um processo que ela move contra o autor e o diretor, por ter sua “privacidade desrespeitada” (…). A verdadeira história, diz ela, está na sua biografia. – Folha de S.Paulo

Memórias de uma Gueixa contou sua história, mas não a que ela queria. Agora, é a vez de Mineko Iwasaki. (…) ‘Minha vida como gueixa’ é supostamente tudo o que o livro de Golden não era: a história de uma gueixa, diretamente da boca dela. – Revista Time

Escala-Lia:
Comentário: Um dos maiores enganos que as pessoas cometem com relação à cultura japonesa é achar que gueixas são, por definição, prostitutas. É um conceito que, por um motivo infeliz, foi disseminado, tomado como verdade e dará um trabalho danado pra ser tirado da cabeça das pessoas. Conforme a contracapa diz, este livro realmente é uma verdadeira aula sobre a cultura japonesa. Eu tinha uma vaga noção do que era o “emprego” de uma gueixa, mas me deparei com ricos detalhes do dia-a-dia, e percebi que não é um trabalho para qualquer mulher. Não basta simplesmente acordar um belo dia e decidir que se quer ser gueixa. Poucas mulheres são dignas de desempenhar este papel tão importante na cultura e tradições japonesas.

1 comentário para “Comentando Livros #37”

  1. Lil disse:

    Lia, prazer em conhecer! Me chamo Débora, meu apelido é Lil. Eu sempre que posso dou uma passada aqui pra ler, acho muuito interessante seus posts. Eu moro em Sorocaba-Sp.
    Gostaria muito de adicioná-la no msn, poderiamos nos falar, será? ^-^ little-bitter.riru@hotmail.com é meu msn. Para contato por email, é sabaku.no.lil@hotmail.com
    Eu me interesso bastante pela cultura japonesa em si, assim como a própria língua… Será que você saberia me dizer qual é o kanji para ” SUTEKI ” ? Significaria algo maravilhoso, grandioso…? Se eu estiver errada, por favor me corrija. xD Muito obrigada desde já, tenha um lindo dia.

Deixe um comentário