Tag: ‘Brasil’

Hora do Planeta

27 de março de 2010 - sábado - 13:39h   •   Categoria(s): Shuffling

Hoje, dia 27 de março, das 20:30h às 21:30h, acontecerá a Hora do Planeta, onde quem for participar, apagará as luzes durante 1 hora, como forma de demonstrar preocupação com o aquecimento global.

Por que eu tenho que participar dessa baboseira?
Por que eu vou ficar me preocupando com o tal do aquecimento global e deixar de assistir a minha novela? Não posso nem ficar na internet?
E se eu estiver no cinema, o que vai acontecer? Posso ter meu ingresso de volta?
E se eu estiver dentro de uma loja? Vou ser obrigado a ficar no escuro ou à meia luz?

Já faz alguns anos que se vem falando dessa história de meio ambiente, sustentabilidade, de preservação do Planeta. Esse blablablá todo não é novidade.
Mas na minha opinião, isso é coisa pra essa gente nobre, que se diz ser mais esclarecida, espiritualmente mais evoluída… ou para as entidades e empresas que querem pagar de bonitonas, mostrando uma imagem boa, mas que no fundo, se importam mesmo é com o lucro.
Não me venham encher o saco.
Que nem essa história de reciclagem… Tem perda de tempo maior do que ficar separando lixo??? Babaquice total! Põe tudo num lugar só e deixa a minha vida em paz porque eu tenho mais o que fazer! Lixo pra mim deixa de ser problema meu a partir do momento em que ele sai da minha mão e vai para uma lata qualquer. Ou nem isso. Às vezes jogo na rua mesmo, afinal alguém tem que sustentar as famílias desses garis. De qualquer forma, o lixo vai ser recolhido por alguém que provavelmente eu nunca vou conhecer, vai ser transportado de uma maneira que eu tenho até uma vaga ideia e vai para um lugar que eu não tenho a mínima noção de onde possa ser. Lá, nesse lugar, eu nem sei o que vai acontecer com esse lixo, mas de uma coisa eu tenho certeza: ele não voltará a ser problema pra mim.

Pois é, não sei por que toda essa onda de demonstração de preocupação para com o próximo e tal. Se você não se importar com seu próprio umbigo, quem vai se importar? Se você não cuidar de si mesmo, duvido que alguém vá fazê-lo por você.
Por que eu tenho que passar aperto em metrô e ônibus se eu posso muito bem ter um carro que me proporcione conforto?
Por que eu preciso economizar água se eu posso pagar por ela?
Por que eu tenho que recolher o cocô do meu cachorro se existe espaço suficiente em quilômetros de calçada em São Paulo?
Por que eu tenho que me preocupar com a limpeza do assento da privada de um shopping / restaurante / balada se nenhuma mulher faria isso por mim?
E por que eu tenho que me preocupar com o fato de o petróleo acabar daqui a 50 anos se eu nem sei se vou estar viva até lá?

Hora do Planeta… ¬¬  hunf!

————————————————

.
.
.
.
.

Bom, não deu. Não consegui escrever um texto mais longo. Estava me dando agonia.
Por incrível que pareça, sim, tem gente que pensa da maneira descrita pelo texto acima. E infelizmente não são poucas não. É só parar para observar no dia-a-dia de vocês. Nos pequenos atos e fatos do cotidiano, a gente consegue perceber.

Eu acabei misturando um pouco o assunto da Hora do Planeta com um assunto mais abrangente e genérico, que é o comportamento egoísta das pessoas. Mas cada vez mais eu venho vendo que o grande mal do mundo está no fato de as pessoas só se importarem com as coisas que envolvem seu próprio umbigo. Não deixa de ser diferente quando se fala dos problemas ambientais.
Meu discurso tem esse tom pessimista porque realmente é o que eu vejo nos meus arredores. Não me sinto motivada para demonstrar esperança ou otimismo se, sinceramente falando, eu me sinto um tanto quanto solitária e insuficiente ao imaginar que posso “ajudar a mudar o mundo”.
Mas de algumas coisas eu sei… Eu separo meu lixo em papéis, metais e plásticos. Eu não deixo a torneira da pia aberta enquanto escovo os dentes. Eu tenho a opção de ir pro trabalho de metrô e o faço. E eu sou uma vela bem pequena, que tem a capacidade de acender outras poucas velas. Se eu não posso mudar o mundo, eu posso aconselhar o meu melhor amigo, o meu colega que senta do lado e os meus visitantes por quem eu tenho tanto carinho.

Eu não vou estar em casa hoje às 20:30h. Vou ter que me virar para achar um jeito de contribuir. Depois eu conto o que eu fiz.

A Evolução da Educação

22 de fevereiro de 2010 - segunda-feira - 22:23h   •   Categoria(s): Shuffling, Textos

Agora que o oba-oba vucu-vucu do Carnaval passou, acho que posso falar de coisa séria e tentar ser “lida”.
Esse texto eu recebi por email. Não sei quem é o autor. Caso saibam, peço por gentileza me avisar, para eu dar os créditos devidamente.

————————————–

A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO

Antigamente se ensinava e cobrava tabuada, caligrafia, redação, datilografia…
Havia aulas de Educação Física, Moral e Cívica, Práticas Agrícolas, Práticas Industriais e cantava-se o Hino Nacional, hasteando a Bandeira Nacional antes de iniciar as aulas..

Leiam relato de uma Professora de Matemática:

Semana passada, comprei um produto que custou R$ 15,80. Dei à balconista R$ 20,00 e peguei na minha bolsa 80 centavos, para evitar receber ainda mais moedas. A balconista pegou o dinheiro e ficou olhando para a máquina registradora, aparentemente sem saber o que fazer.
Tentei explicar que ela tinha que me dar R$ 5,00 de troco, mas ela não se convenceu e chamou o gerente para ajudá-la. Ficou com lágrimas nos olhos enquanto o gerente tentava explicar e ela aparentemente continuava sem entender. Por que estou contando isso?
Porque me dei conta da evolução do ensino de matemática desde 1950, que foi assim:

1. Ensino de matemática em 1950:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção é igual a 4/5 do preço de venda. Qual é o lucro?

2. Ensino de matemática em 1970:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção é igual a 4/5 do preço de venda ou R$ 80,00. Qual é o lucro?

3. Ensino de matemática em 1980:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção é R$ 80,00. Qual é o lucro?

4. Ensino de matemática em 1990:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção é R$ 80,00. Escolha a resposta certa, que indica o lucro:
( )R$ 20,00
( )R$ 40,00
( )R$ 60,00
( )R$ 80,00
( )R$ 100,00

5. Ensino de matemática em 2000:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção é R$ 80,00. O lucro é de R$ 20,00. Está certo?
( )SIM
( ) NÃO

6. Ensino de matemática em 2009:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção é R$ 80,00. Se você souber ler coloque um X no R$ 20,00.
( )R$ 20,00
( )R$ 40,00
( )R$ 60,00
( )R$ 80,00
( )R$ 100,00

7. Em 2010 vai ser assim:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção é R$ 80,00. Se você souber ler coloque um X no R$ 20,00. (Se você é afrodescendente, especial, indígena ou de qualquer outra minoria social não
precisa responder)
( )R$ 20,00
( )R$ 40,00
( )R$ 60,00
( )R$ 80,00
( )R$ 100,00

E se um moleque resolve pichar a sala de aula e a professora faz com que ele pinte a sala novamente, os pais ficam enfurecidos pois a professora provocou traumas na criança.

Essa pergunta foi vencedora em um congresso sobre vida sustentável:
“Todo mundo ‘pensando’ em deixar um planeta melhor para nossos filhos… Quando é que ‘pensarão’ em deixar filhos melhores para o nosso planeta?”

Passe adiante!
Precisamos começar JÁ!

Uma criança que aprende o respeito e a honra dentro de casa e recebe o  exemplo vindo de seus pais, torna-se um adulto comprometido em todos os aspectos,  inclusive em respeitar o planeta onde vive…”

Comentando Livros #35

13 de dezembro de 2009 - domingo - 13:10h   •   Categoria(s): Comentando Livros

Título: O Mundo é Bárbaro
Autor:
Luis Fernando Verissimo
Ano:
2008
Descrição:
Escolhidas num universo de 500 textos, estas crônicas discutem a ascensão chinesa, a guerra contra o terror, a candidatura de Barack Obama à presidência dos Estados Unidos e o passado e o futuro do Brasil e da América Latina. Simultaneamente, fazem um raio-x do comportamento do homem contemporâneo.
Escala-Lia:

Comentário:
Pra quem já leu praticamente todos aqueles livrinhos coloridinhos de crônicas do Verissimo, confesso que me senti meio burra com esse. São textos com outro enfoque, de cunho sócio-político-econômico-cultural-etc, que os deixam mais densos e sóbrios. As ironias são mais sutis, com um tom de crítica. A nota 4 é por motivos puramente pessoais e subjetivos, heh.