Tag: ‘cachorro’

Hachikō

27 de dezembro de 2009 - domingo - 23:49h   •   Categoria(s): Cultura japonesa

Texto copiado quase que integralmente do Wikipedia:

Hachikō [rátchiko] (ハチ公) foi um cachorro da raça Akita nascido na cidade de Ōdate, na Prefeitura de Akita, e é lembrado pela sua lealdade pelo dono, que perdurou mesmo após sua morte.
Em 1924 Hachikō foi trazido a Tóquio pelo seu dono, Hidesaburō Ueno, um professor do departamento de agricultura da Universidade de Tóquio. Hachikō acompanhava Ueno desde a porta de casa até a não distante Estação de Shibuya, retornando para encontrá-lo ao final do dia. A rotina continuou até maio do ano seguinte, quando numa tarde o professor não retornou em seu usual trem, como de costume. Ueno sofrera um AVC na universidade naquele dia, nunca mais retornando à estação onde sempre o esperara Hachikō.
Hachikō foi dado a outra pessoa após a morte de seu mestre, mas ele escapava constantemente, aparecendo diversas vezes em sua antiga casa. Depois de certo tempo, Hachikō aparentemente se deu conta de que o Professor Ueno não mais morava ali. Então tornou a procurar na estação de trem onde o encontrara diversas vezes antes. Dia após dia, em meio aos apressados passageiros, Hachikō esperava pelo retorno de seu amigo.
A figura permanente do cão à espera de seu dono atraiu a atenção de alguns transeuntes. Muitos deles, frequentadores da estação de Shibuya, já haviam visto Hachikō e Professor Ueno indo e vindo diariamente no passado. Percebendo que o cão esperava em vão a volta de seu mestre, ficaram tocados e passaram então a trazer petiscos e comida para aliviar sua vigília.
Por 10 anos contínuos Hachikō aparecia ao final da tarde, precisamente no momento de desembarque do trem na estação, na esperança de reencontrar-se com seu dono.
Hachikō morreu em 8 de março de 1935. Seus restos mortais estão em guarda do Museu Nacional de Ciência do Japão em Ueno, Tóquio.

Antes de ir visitar o Japão, em março, eu cheguei a ler a história desse cão, já que não é só de shoppings e gyarus que Shibuya é feita, hehehe.
Logo na saída mais movimentada da estação de Shibuya, há uma pequena praça, com uma estátua em homenagem ao Hachikō.
A visão de rua do Google Maps não consegue “entrar” nessa praça, então a que eu passei no link é a mais próxima que vocês podem ter.
Oooou, tem a foto que eu tirei, euhehe. Além das imagens de internet, é claro… ¬¬
Por que eu resolvi escrever sobre esse assunto? Porque qualquer semelhança com o filme do Richard Gere é mera cópia de uma bela e triste história originada na sociedade japonesa.
Btw, eu não assisti o filme original sobre Hachikō.

Comentando Livros #17

25 de agosto de 2007 - sábado - 12:19h   •   Categoria(s): Comentando Livros

Título: Marley & Eu
Autor: John Grogan
Ano: 2005
Descrição: John e Jenny eram jovens, apaixonados e estavam começando a sua vida juntos, sem grandes preocupações, até ao momento em que levaram para casa Marley, “um bola de pêlo amarelo em forma de cachorro”, que, rapidamente, se transformou num labrador enorme e encorpado de 43 quilos. Era um cão como não havia outro nas redondezas: arrombava portas, esgadanhava paredes, babava nas visitas, comia roupa do varal alheio e abocanhava tudo a que pudesse. De nada lhe valeram os tranqüilizantes receitados pelo veterinário, nem a “escola de boas maneiras”, de onde, aliás, foi expulso. Mas, acima de tudo, Marley tinha um coração puro e a sua lealdade era incondicional.
Escala-Lia:
Comentário: Eu que não sou fã de cachorro, achei o livro interessantíssimo. É super bem escrito, dado que o autor é jornalista, e é hilário o jeito que ele descreve o seu labrador estabanado de 40-e-tantos quilos.
A história é emocionante em vários momentos do livro, mas foi inevitável chorar no final. Vale muito a pena ler, até pra quem não é fã de cachorro. ^_~