Tag: ‘Autores ou Títulos Consagrados’

Comentando Livros #11

20 de novembro de 2006 - segunda-feira - 23:52h   •   Categoria(s): Comentando Livros

Título: Memória de Minhas Putas Tristes
Autor: Gabriel García Márquez
Ano: 2005
Descrição: Primeira obra de ficção de Gabriel Garcia Márquez em dez anos, Memória de Minhas Putas Tristes é uma jóia narrativa. Um conto de fadas: sentimental, implacável, sábio e irônico. Ao revelar a história de um velho jornalista que decide comemorar seus noventa anos com uma noite de amor com uma jovem virgem, Garcia Márquez constrói um hino de louvor à vida e, por extensão, ao amor, já que um não existe sem o outro no imaginário do Prêmio Nobel de Literatura de 1982.
Escala-Lia:
Comentário: O que eu poderia dizer sobre este livro é o seguinte: trata-se de uma história despretensiosa, sobre um tema comum, mas inserido em um contexto todo especial. Não há muito o que comentar sobre a beleza da história de um senhor que se apaixona pela primeira vez aos 90 anos, por uma prostituta virgem de 14.
A história realmente é muito simples, mas carregada de sinceridade, de pureza.

Comentando Livros #09

27 de agosto de 2006 - domingo - 22:23h   •   Categoria(s): Comentando Livros

Título: O Gênio do Crime
Autor: João Carlos Marinho
Ano: 1969
Descrição: Este é o livro que inaugurou ‘A Turma do Gordo’. Seu Tomé é um homem bom, proprietário de uma fábrica de figurinhas de futebol. Existem as fáceis e as difíceis, fabricadas em menor quantidade. Quem enche o álbum ganha prêmios realmente bons. Mas surge uma fábrica clandestina que fabrica as figurinhas difíceis e as vende livremente. O número de álbuns cheios aumenta e seu Tomé não tem mais capacidade de dar todos os prêmios. Há uma revolta, as crianças querem quebrar a fábrica. Edmundo, Pituca e Bolachão, e mais adiante, Berenice, entram em cena para descobrir a fábrica clandestina. Acontece que não se trata de simples bandidos. A quadrilha é chefiada por um gênio do crime. A cabeça do Gordo é posta para pensar, travando-se um espetacular duelo de inteligências, que começa pelo incrível sistema de seguir pelo avesso.
Escala-Lia:
Comentário: Eu me lembro muito bem da existência desse livro na minha infância. Falavam muito dele. Pena que não o li na época certa, pois trata-se de um clássico da Literatura Infanto-Juvenil.
Este livro apenas veio parar aqui em casa, num daqueles “Tó, fica pra você” que aconteceu comigo no ano passado. Como não tive coragem de passar pra frente sem lê-lo, guardei.
A nota baixa que dei é puramente pessoal. Boto nele a culpa de não ter chegado em minhas mãos 12 anos antes. Infezlimente não consegui ler com olhos de pré-adolescente e acredito que se fosse em 1994, teria dado nota máxima.
Só que não poderia sair dessa vida sem tê-lo lido. Heh!
Recomendável se você tiver menos de 15 anos de idade.

Comentando Livros #04

17 de abril de 2006 - segunda-feira - 22:41h   •   Categoria(s): Comentando Livros

Título: As Crônicas de Nárnia
Autor: C.S. Lewis
Ano: 1950 (a primeira crônica escrita)
Descrição: A terra fictícia denominada Nárnia, criada pelo escritor Clive Staples Lewis, é o espaço onde ocorrem as aventuras de animais que podem falar e onde o bem pode combater o mal. Seu enredo, que contém aspectos do Cristianismo, é apresentado de forma mais acessível as crianças. As Crônicas de Nárnia (do original The Chronicles of Narnia), em um único livro, traz os sete volumes que ultrapassaram o status de livros infantis e se tornaram grandes clássicos da literatura.
Escala-Lia:
Comentário: Consegui demorar 3 meses pra ler esse livro. Três meses!!!
Eu diria que Nárnia é Tolkien simplificado para crianças. Li em críticas de sites que, apesar de ser um livro infanto-juvenil, Crônicas de Nárnia encantou também os adultos e blablablá. A proposta do conjunto das crônicas é bastante legal, mas achei as histórias simples demais.
Bom, sim, como eu disse, é um livro pra crianças. Mas ahnnn… O que você esperaria de adulto (mulher) que dissesse “Nhaaai, esse livro é maravilhooooso”? Enfim, é um clássico e recomendo só pra você poder dizer que leu.

Comentando Livros #03

19 de março de 2006 - domingo - 21:41h   •   Categoria(s): Comentando Livros

Título: O Guia do Mochileiro das Galáxias
Autor: Douglas Adams
Ano: 1979
Descrição: Considerado um dos maiores clássicos da literatura de ficção científica, O Guia do Mochileiro das Galáxias vem encantando gerações de leitores ao redor do mundo com seu humor afiado. Este é o primeiro título da famosa série escrita por Douglas Adams, que conta as aventuras espaciais do inglês Arthur Dent e de seu amigo Ford Prefect. A dupla escapa da destruição da Terra pegando carona numa nave alienígena, graças aos conhecimentos de Prefect, um E.T. que vivia disfarçado de ator desempregado enquanto fazia pesquisa de campo para a nova edição do Guia do Mochileiro das Galáxias, o melhor guia de viagens interplanetário. Mestre da sátira, Douglas Adams cria personagens inesquecíveis e situações mirabolantes para debochar da burocracia, dos políticos, da “alta cultura” e de diversas instituições atuais. Seu livro, que trata em última instância da busca do sentido da vida, não só diverte como também faz pensar.
Escala-Lia:
Comentário: Havia meses que o Maki vinha tentando me fazer ler O Guia. Eu recusava não por má vontade, mas sim por causa da fila. Até que ele conseguiu me convencer a pegar emprestado.
Não me arrependo de ter me rendido. Só lamento (a mim mesma) pelo fato de eu não ter capacidade o suficiente pra poder ter extraído mais do tão-falado humor deste livro. A história é muito inteligente, os conceitos estabelecidos e as verdades desmascaradas são geniais! Leitura obrigatória para todo bom book worm.

Comentando Livros #01

11 de janeiro de 2006 - quarta-feira - 21:43h   •   Categoria(s): Comentando Livros

Título: O Jardim do Diabo
Autor: Luis Fernando Veríssimo
Ano: 1988
Descrição: O Jardim do Diabo, romance de Luis Fernando Veríssimo, é um thriller bem-humorado e inteligente. Uma mulher é encontrada esfaqueada em seu quarto – na parede, escritas com sangue da vítima, palavras em grego. É isso que o inspetor Macieira conta a Estevão, um escritor de histórias policiais, sempre assinadas com um pseudônimo americano. O inspetor Macieira vai atrás de Estevão por um detalhe – a cena do crime é exatamente igual à descrita por ele em seu último romance. O assassinato, no entanto, ocorreu antes de o livro ser lançado. A partir dessa visita, os dias monótonos de Estevão começam a ser invadidos por seus personagens. Vida e ficção passam então a disputar um jogo fascinante do qual o leitor é grande testemunha. Com seu proverbial humor, Veríssimo nos envolve numa divertida trama, cheia de referências policiais e recursos de metalinguagem.
Escala-Lia:
Comentário: Começo com o pé na porta. Não me sinto nada à vontade em criticar LF Veríssimo, mas não, não gostei desse livro. Tenho certeza de que não entendi a sua proposta. Eu li a edição de 1988, mas não acredito que seja diferença de versões. O que me conforta é o fato de que pessoas às vezes não gostam daquilo que não conhecem ou não entendem. Como Kill Bill, por exemplo. Conversei com gente que disse ter detestado o filme, mas eu percebi que elas simplesmente não o entenderam.
O modo como Veríssimo trabalha os 3 “cenários” (passado, presente e ficção) é ótimo! Parece mais ou menos como nossa mente funciona, quando passa de um pensamento a outro. Mas fora isso, a sensação que tenho é de que perdi a piada.